Palometas são encontradas por pescadores de São Lourenço do Sul

Palometas foram encontradas na região de São Lourenço do Sul, na costa doce do RS.
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

O velho ditado popular já alertava: “Em rio que tem piranha, jacaré nada de costas”. Não devemos levar a sabedoria cotidiana tão à risca, mas é sempre bom manter a segurança em primeiro lugar, principalmente para os pescadores de São Lourenço do Sul, na costa doce do Rio Grande do Sul. Conforme matéria publicada pelo Portal G1, foi registrada a presença de piranhas nas águas da Lagoa dos Patos. Conhecidas como palometas, as piranhas-vermelhas foram percebidas pelos pescadores artesanais do município da região sul do estado. O animal registrado em vídeo foi capturado na cidade vizinha de Arambaré. 

Tu Viu?

Réveillon de Torres com a maior queima de fogos dos últimos tempos
Pizza com erva-mate, moranga e pinhão é escolhida como prato típico de Porto Alegre

No vídeo publicado pelo Portal G1, o pescador Marcelo Almeida de Freitas mostra a “piranha” e diz que dois exemplares da espécie foram pescados no local. “A piranha tá tomando conta da lagoa mesmo. ‘Tamo’ aqui na praia e pegamos duas piranhas”, disse no vídeo.

Um especialista do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) disse ao site que os sinais indicam se tratar de uma palometa e que a presença do animal na Lagoa dos Patos já era esperada.

Os registros de palometas no Rio Jacuí, principal afluente da Lagoa dos Patos, são cada vez mais comuns. Desde fevereiro de 2021, a presença das piranhas preocupa pescadores do rio que atravessa o RS desde Passo Fundo até Porto Alegre. No verão, o animal procura águas mais quentes e praias mais arenosas para a reprodução e desova.

Os banhistas e pescadores correm perigo com as palometas?

O professor Nelson Fontoura, diretor do Instituto de Meio Ambiente da PUCRS, afirmou ao Portal G1 que, eventualmente, podem acontecer acidentes com veranistas. Mesmo assim, o especialista afirma que essa espécie do vídeo seria menos agressiva. Para ele, o animal pode desaparecer da lagoa com o passar do tempo. 

O pescador corre um risco maior por lidar diretamente com o animal. O professor explica que a piranha come os peixes que já estão presos nas redes e a dica para os pescadores é revisar sempre as redes. Se possível, analisar as linhas com mais frequência no momento da pesca.

De onde são essas palometas?

As palometas, ou piranhas-vermelhas, são da espécie Pygocentrus nattereri, medem de 20 a 30 centímetros de comprimento e podem ser encontradas na Amazônia e no Pantanal. A principal hipótese de origem dos animais é que teriam circulado pelos rios Paraguai e Uruguai, chegando ao Jacuí e outros locais por meio de canais de irrigação de plantações. Elas são parentes das piranhas. Carnívoras, costumam comer espécies de peixes menores, que geralmente são pescados por seres humanos. Lambaris, pintados e jundiás estão entre os preferidos. Ela tem uma dentição poderosa e pode causar mordidas graves. Possuem coloração avermelhada, com cabeça e dorso acinzentados.