Pai Juarez de Oxum

A vida não anda fácil. Fiquei desempregado, Grêmio e Inter não quiseram me contratar, e as contas de final de ano começaram a chegar. Resolvi ganhar uns pilas como vidente. Foi o que me restou depois da ingratidão de Koff e Luigi (resmungos)…

Pois bem, joguei as cartas (todas as cartas do meu baralho são 5 e 8), e mostro-lhes o que os números me disseram:

– Em 02 de março Dunga brigará com D’Alessandro, que imediatamente pulará da barca. A pressão no vestiário ficará insuportável. Dunga será demitido em 11/03. Dia 15/03 serei contratado para ser o técnico do Internacional. Ao final de abril serei campeão Gaúcho após vencer o Grêmio por 1×0, gol do volante Ygor.

– O Grêmio fará a melhor campanha da primeira fase da Libertadores. Nas oitavas de final jogará contra o Emelec e perderá no Equador o jogo de ida por 2×0. Na mesma semana Luxemburgo verá seu time perder o título Gaúcho para mim, no comando do arqui-rival Internacional, e será demitido.

– No dia seguinte à demissão de Luxemburgo e faltando apenas dois dias para o confronto de volta da Libertadores contra o Emelec, o presidente tricolor abrirá o koffre e pagará minha multa rescisória junto ao Internacional. Assumo o Grêmio logo após vencer o Gauchão pelo Inter. Dois dias após minha assinatura, devolvo os 2×0 no Emelec, venço nos pênaltis e a campanha gremista muda. Em meados de junho levanto o caneco de campeão da América pela segunda vez, agora pelo Grêmio.

– Uma semana após o título da Libertadores a maior injustiça jamais vista por estes pagos acontecerá: a alta cúpula gremista me demitirá, alegando que não levo sorte em Mundiais de Clubes.

– Ainda transtornado pela demissão sem precedentes, receberei uma ligação de Giovanni Luigi. Atônito pela atual 15ª colocação do colorado no Campeonato Brazileiro, serei convidado para voltar a treinar o Internacional. A torcida me receberá aos gritos de “mercenário”.

– Após longos 5 mêses de campanha, e com uma arrancada nunca antes vista, na última rodada do campeonato sairei campeão brazileiro, com uma vitória de 1×0 no Gre-Nal da última rodada. Gol do volante Ygor.

– Passados doze dias do fim do brazileirão, o Grêmio, que havia jogado as últimas seis rodadas do campeonato com time reserva visando a preparação para o Mundial do Marrocos, enfrentará na semifinal do mesmo campeonato mundial o Toluca. Perderá por 1×0, gol de Wilson Matias.

– A revolta da torcida gremista pela perda do mundial após a minha demissão causará vandalismos na Arena do Grêmio. Inter e Grêmio me disputarão em um leilão. A imprensa especula que meu salário já estaria em torno de P$ 2 milhões por mês. Jornais de toda a república postarão nas suas capas: “Qual o preço de um santo? Saiba mais sobre o possível futuro salário de São Juarez.”

– Tendo perdido a Copa das Confederações e, dois dias depois de uma vexatória derrota para o Congo, com direito a dancinhas do famigerado arqueiro Kidiaba, Felipão terá seu contrato rescindido. Restando apenas seis meses para a Copa do Mundo, José Maria Medalha Madrin me ligará. No dia 05/01/2014, eu estaria assumindo a Seleção Brazileira, de onde sairia de lá exatos sete metes depois, com o título de hexacampeão mundial.

– Ao final do ano de 2014, o Papa Bento XVI reunirá o conclave sagrado para discutir se devo ser canonizado.

– Em meados do ano de 2015, um santo resmungão e bigodudo será recebido de braços abertos pela Igreja. Nasce ali o mito. Nasce ali o milagreiro. Nasce ali São Juarez, o protetor da Cautela.

É isso que dizem as cartas. Eu não duvidaria, as cartas não mentem jamais.

21 JAN 2013